Translate

segunda-feira, 5 de março de 2018

Ordenações sacerdotais duvidosas ​​na Igreja conciliar

Ordenações sacerdotais duvidosas ​​na Igreja conciliar
(do site dos Dominicanos de Avrillé)
- Uma carta do arcebispo Lefebvre:
[Nota do editor: Nesta transcrição, deixamos inalterados a ortografia e o estilo encontrado na carta escrita pelo arcebispo. ]

Ecône, 28 oct. 1988

Muito querido Sr. Wilson,

Muito obrigado por sua carta gentil. Eu concordo com o seu desejo de reordenar condicional estes sacerdotes, e eu fiz essa reordenação muitas vezes.

Todos os sacramentos dos bispos ou sacerdotes modernistas são duvidosos agora. As mudanças estão aumentando e suas intenções não são mais católicas.

Estamos no tempo da grande apostasia.

Precisamos de mais e mais bispos e sacerdotes muito católicos. É necessário em todos os lugares do mundo.

Obrigado pelo artigo do jornal do padre Álvaro Antonio Perez jesuíta!

Devemos orar e trabalhar duro para estender o reino de Jesus-Cristo.

Rezo por você e sua amável família.

Devotamente em Jesus e Mary.

Marcel Lefebvre




Comentário
O Arcebispo Lefebvre baseia-se em dois argumentos principais para afirmar que os novos sacramentos, especialmente as ordenações, são doravante questionáveis:

* a evolução dos ritos;

* e o defeito na intenção.

Os novos ritos dos sacramentos promulgados pela Igreja conciliar, promulgada nas edições típicas em latim, são provavelmente válidos (1). Mas isso não impede que numerosos sacramentos sejam inválidos na prática, pelos dois motivos citados acima.

O arcebispo Lefebvre disse que, em sua opinião, um grande número de missas novas eram inválidas - admitindo a validade do novo rito em si.

Mons. Tissier de Mallerais, em seu sermão no dia de 29 de junho de 2016 em Econe, falou o seguinte sobre o rito da ordenação dos sacerdotes:

"Claramente, não podemos aceitar este novo rito de ordenação que deixa dúvidas quanto à validade de inúmeras ordenações feitas de acordo com o novo rito. Assim, este novo rito de ordenação não é católico. E, por conseguinte, continuaremos, fielmente, a transmitir o sacerdócio real e válido pelo rito sacerdotal tradicional da ordenação ".

Em um artigo que apareceu no Le Sel de la terre 54 sobre o tema da validade do novo rito da consagração episcopal, depois de mostrar que o rito em si provavelmente é válido, acrescentamos:

"Devido à desordem generalizada, tanto nos níveis litúrgico quanto dogmático, podemos ter razões sérias para duvidar da validade de certas ordenações episcopais".

E citamos as observações do arcebispo Lefebvre sobre o tema da consagração episcopal de Mons. Daneels, bispo auxiliar de Bruxelas:

"Pequenos livretos foram publicados por ocasião desta consagração. Para as orações públicas, aqui está o que foi dito e repetido pela multidão:

Seja um apóstolo como Pedro e Paulo; seja um apóstolo como o patrono desta paróquia; seja um apóstolo como Gandhi; seja um apóstolo como Lutero; seja um apóstolo como (Martin) Luther King; seja um apóstolo como Helder Camara; seja um apóstolo como Romero.
Apóstolo como Lutero, mas que intenção os bispos tiveram quando consagraram este bispo, Bp. Daneels(2)? "

"É assustador ... Este bispo foi realmente consagrado? Podemos duvidar de todos modos. E se essa é a intenção dos que sagraram, é incompreensível! A situação é ainda mais grave do que pensávamos(3)".

Poderíamos citar inúmeros exemplos de sacramentos dados na Igreja conciliar que certamente foram inválidos: confirmações dadas sem usar óleos santos; batismos onde uma pessoa derrama a água, enquanto outra pronuncia as palavras, etc (4).

É por isso que a posição do Arcebispo Lefebvre na carta que citamos aqui parece sábia: por causa da importância particular do sacramento da ordenação, é necessário reordenar condicionalmente os sacerdotes que vêm da Igreja conciliar 'a Igreja tradicional.

(Tirado de "Le Sel de la terre" 98)

1Podemos fazer uma exceção para o novo rito de Confirmação que permite o uso de óleos além do azeite, o que introduz uma dúvida quanto à validade, devido a um defeito da matéria. Nós também ressaltamos que o P. Alvaro Calderon (FSSPX), na revisão da língua espanhola Si Si No No (# 267, novembro de 2014), fala de uma "dúvida leve", uma "sombra" quanto à validade do novo rito da sagração episcopal em si mesma (ver Le Sel de la terre 92, p. 172).
2Arcebispo Lefebvre, Conferência em Nantes (França), 5 de fevereiro de 1983.
3Arcebispo Lefebvre, Conferência em Ecône (Suíça), 28 de outubro de 1988.
4Aproveitamos essa ocasião para pedir gentilmente aos nossos leitores que tenham conhecimento de sacramentos que são certamente inválidos (nomeadamente o batismo) para nos enviar o testemunho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário